Topo da página da Seicho No Ie com logotipo


Diretora Presidente da Seicho No Ie do Brasil Preletora Marie Murakami

Diretora Presidente da SEICHO-NO-IE DO BRASIL

Preletora Marie Murakami





Aprofundemos a convicção de que a natureza e nós somos UM SÓ



Reverências! Muito obrigada!

O famoso escultor renascentista Michelangelo dizia: “Vi o anjo no mármore e esculpi até libertá-lo”.

O universo é repleto de belezas aguardando que os nossos olhos se tornem capazes de percebê-las, mas muitas vezes é justamente o “orgulho” de ser “erudito” que faz com que o ser humano não “escute” o que a natureza fala.

Outro fator determinante na relação humana de usura com a natureza é a ambição.

Na obra Decisão em Prol das Futuras Gerações, o Supremo Presidente da Seicho-No-Ie, Prof. Masanobu Taniguchi, à página 32-33, afirma: “Dentre os fatores da mente humana, o mais problemático é a ambição. A ambição nem sempre é um mal. Ela é uma força motriz para aumentar a população, promover as invenções, desenvolver a tecnologia e a economia. Mas, por outro lado, se não for controlada de modo adequado, pode provocar briga conjugal, destruir lares, promover o mau uso das armas, destruir a economia, motivar ataques terroristas e guerras e causar grande desordem no ambiente terrestre. (...) Precisamos deixar de estabelecer como meta da sociedade humana a ‘espiral da ambição’, na qual a economia se move com base na ambição e gera uma nova ambição”.

Diante desse cenário, é preciso fazer avançar a máxima “eu e o outro somos um só” e, mais que isso, “eu e todas as coisas do céu e da terra somos um só”.

Já disse, certa vez, o chefe da tribo Seatlle (1786-1866), da Nação Suquamish: “Devemos ensinar aos nossos filhos que o chão que eles têm sob os pés é o pó dos seus avós. Para que eles respeitem a terra, diga-lhes que ela está repleta de nossos parentes. Ensina-lhes que a Terra é nossa mãe. O que acontece à terra acontece aos filhos dela. Quando os homens cospem na terra, estão cuspindo em si mesmos”.

Não é semântica ou metáfora dizer: o mundo tem alma. E a minha alma é extensão dela. Nesse sentido, não é abstração apreender que o universo é o meu “corpo”; são os rios, as minhas veias; as matas, as minhas vestes; o céu, a minha casa.

Podemos também concluir que a natureza é um grande livro de ensinamento sagrado. Para ela, a questão nunca foi “tamanho”. O “preguiçoso” não aprendeu ainda com as formigas. O “infiel” não sabe nada da alegria dos cisnes (que mantêm uma mesma parceira por toda a vida). Os que se sentem “insignificantes” nunca silenciaram para escutar o “sermão” do zumbido das pequeninas abelhas, que polinizam e tornam viável a vida no globo.

Leiamos, aprendamos, busquemos e avancemos na grande marcha rumo à Paz Mundial e à ética para com as futuras gerações. Está em nossas mãos, hoje, o mundo de amanhã.

Novas Reverências! Muito Obrigada!